Meus livros

O Diário de Arthur Ferraù: What a Wonderful London

Escrevi a saga de Arthur Ferraù entre 2006 e 2008 e neste livro eu narro o diário de um jovem brasileiro que, após várias desventuras amorosas no Brasil, decide ir morar em Londres para estudar e trabalhar. 

No novo país, ele vive várias aventuras enquanto busca um novo amor, sempre acompanhado de seus amigos, que o acompanham nas mais diversas confusões. 

Entre uma nova desilusão e outra, e enquanto ajuda os seus amigos, ele descobre o grande amor da sua vida bem ao lado dele e de uma forma que ele nunca sonhou.



Águas de Março

No meu segundo livro, decidi me inspirar nas histórias policiais, mas buscando uma narrativa diferente. Diversas mulheres aparecem mortas na cidade de São Paulo ao longo de março de 2019. Dois policiais e um jornalista começam a investigar e fazem descobertas que os levam a um implacável assassino e a uma assustadora descoberta: o mal às vezes pode estar ao nosso lado.

Águas de Março foi escrito em tempo real ao longo do mês de março de 2019. O projeto contou com trama pré-definida e roteiro criado e editado todos os dias. Além disso, os rumos da narrativa foram fortemente influenciados por acontecimentos reais, ditando o rumo da história.



Depois da Chuva

Para o meu terceiro livro, busquei inspiração na obra da Legião Urbana. Na obra, narro a história de João Roberto e Daniel, que se reencontram após muito tempo separados e sem nenhum contato entre si. 

Incentivados por Renata, irmã de João Roberto, eles voltam a se falar e retomam a amizade aos poucos, de início para não contrariá-la. Aos poucos, eles relembram o passado e são obrigados a lidar com as consequências de um segredo, passando a perceber que a distância e o tempo serviram para transformar o medo e a dúvida em doces certezas.




O Cara da Camiseta Azul

Nesta obra, busquei inspiração em alguns traumas e problemas modernos para narrar a história de Luana. Ela encontra um rapaz na volta para casa e essa visão traz à tona algumas questões de seu passado. 

Com medo de se apaixonar, ela tenta fugir mas descobre que o amor está mais perto do que imagina. Auxiliada por Marcus, seu terapeuta, Luana enfim descobre que o futuro dos seus sonhos só pode ser construído quando os traumas são enfrentados e quando ela se permite ser exatamente como é.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não é só o silêncio da Anitta que é (ou era) ensurdecedor

Sobre quando eu sonhava em ser herói

Jô Soares e a hipótese do humor